EQ: inteligência emocional no trabalho

Saiba mais sobre a inteligência emocional e por que ela é tão importante no trabalho moderno.

O que é inteligência emocional?

Inteligência emocional é um conceito que surgiu na década de 90 como tema do discurso acadêmico e, rapidamente, ganhou impulso como parte crucial da psicologia no trabalho e do estudo da dinâmica do local de trabalho.

É comumente chamada de EQ (quociente emocional) como uma contraparte de QI (quociente de inteligência). Um funcionário com alto EQ é mais flexível, versátil, orientado e produtivo. A inteligência emocional é tão importante quanto as habilidades e qualificações técnicas, se não mais.

Simplificando, a inteligência emocional se refere à capacidade de interpretar, compreender e gerenciar as suas próprias emoções e as das pessoas ao seu redor. Trata-se de manter a calma sob pressão, ajudar os outros a se sentirem à vontade e compreender como o seu comportamento pode afetar o seu ambiente.

Embora o QI vise medir a capacidade cognitiva, a inteligência emocional está enraizada em nosso comportamento. Pode parecer abstrato ou arbitrário, mas nossas mentes são sistemas e é importante tratá-las como tal. Como seres humanos, temos a consciência de gerenciar, ajustar e melhorar os sistemas para que eles tenham o melhor desempenho, e isso pode e deve se aplicar ao nosso próprio bem-estar emocional.

Um indivíduo pode ter toda a experiência necessária para um trabalho, mas se não puder se comunicar dentro da equipe e não puder controlar suas próprias emoções, isso afetará negativamente a qualidade de seu trabalho.

Como melhorar a inteligência emocional

Todo ser humano possui inteligência emocional. Ter alta inteligência emocional se trata na realidade de saber como abraçar e melhorar essa inteligência.

Em seu extenso trabalho estudando e definindo inteligência emocional, o cientista comportamental Daniel Goleman definiu cinco habilidades essenciais que devem ser cultivadas para alcançar alto EQ:

1. Autoconsciência

O primeiro passo rumo à inteligência emocional completa é entender suas próprias emoções. Todos nós experimentamos e expressamos diferentes estados emocionais de diversas maneiras e, quanto mais entendermos como lidamos pessoalmente com eles, mais seremos capazes de entender as perspectivas daqueles ao nosso redor.

Não é apenas consciência emocional, a autoconsciência relaciona-se com a compreensão das nuances de sua identidade, comportamento e mentalidade. Trata-se de estar ciente de como os outros veem e respondem a você e sobre como suas ações afetam seu ambiente.

Isso é o que chamamos de autoconsciência pública: a consciência de como os outros veem você. Não significa ter de se preocupar excessivamente com a forma como as pessoas enxergam você, mas sim ter a capacidade de avaliar e reconhecer imparcialmente como os outros o veem e entender o porquê.

 

Então, como exatamente você se torna autoconsciente?

Emoção pode parecer algo que existe puramente dentro da mente, mas, na realidade, nós experimentamos e expressamos emoções fisicamente. Isto é o que chamamos de autoconsciência privada.

Por exemplo, quando você está com raiva, pode sentir essa sensação de “sangue fervendo”; quando está ansioso, pode ter uma sensação de “frio” na barriga ou pode sentir tremedeira. Quando você está feliz, pode se sentir mais leve e mais energizado.

Se pode reconhecer esses indicadores físicos em si mesmo e entender quando e por que eles ocorrem, você será capaz de entender, antecipar e gerenciar suas emoções melhor.

Muito disso simplesmente se resume à reflexão pessoal; tirar um momento para parar e se perguntar como está se sentindo e se perguntar como e com o que contribui para o seu local de trabalho. Se sentir uma desconexão ou falta de comunicação dentro da equipe, avalie por que isso está acontecendo e se há algo que esteja fazendo ou dizendo que possa estar perpetuando o problema.

Preste atenção aos seus pensamentos e sentimentos e tente entender como diferentes situações podem influenciá-lo ou desencadear reações emocionais. Quando estiver trabalhando, pergunte-se se produz o mesmo trabalho quando está frustrado e quando está contente, e procure reconhecer como sua mentalidade afeta o desempenho e a produtividade do seu trabalho.

A intuição está intimamente ligada à inteligência emocional. A intuição gira em torno de nossa percepção de uma situação, e podemos usá-la para entender como realmente nos sentimos. Isso não quer dizer que você sempre deve seguir sua intuição, nem que sempre deve ignorá-la, mas certamente deve reconhecê-la e examiná-la para que possa formar uma melhor compreensão de suas próprias visões e emoções.

Autoconsciência também significa estar ciente de seus pontos fortes e fracos, e ser realista sobre suas capacidades. Reconhecer suas fraquezas é o primeiro passo para superá-las, ao mesmo tempo que reconhecer seus pontos fortes ajuda a motivação e o bem-estar geral.

2. Autorregulação

Uma vez que você sabe como reconhecer e distinguir suas emoções, pode começar a gerenciá-las. Se permitir que as emoções tomem conta do seu trabalho, você pode não ter o melhor desempenho possível. A autorregulação significa não se permitir distrações por fatores externos e, em vez disso, se concentrar na tarefa em questão.

Todos nós temos nossos próprios pensamentos e opiniões, mas é crucial saber como e quando expressar esses pensamentos e opiniões no local de trabalho. Se você não parece estar no controle de suas emoções, podem achar que você não é confiável ou que é um risco. Isso não significa que você não deva se expressar ou ser aberto sobre seus sentimentos, mas autogestão significa lidar com suas emoções de forma adequada, profissional e consciente.

Como se autorregular

Evite tomar decisões impulsivas e agir por capricho. Pensar antes de agir é uma grande parte da autorregulação. Considere como suas ações ou palavras podem afetar seu ambiente e sua equipe e pergunte se você está comunicando suas ideias da maneira mais produtiva e construtiva possível.

A autorregulação é algo que vai totalmente ajudá-lo no local de trabalho, mas as técnicas por trás dela podem e devem se estender além do horário comercial. Manter-se ativo e manter hobbies fora do trabalho, manter um ciclo de sono saudável, bem como encontrar uma válvula de escape segura e saudável para raiva ou frustração são itens importantes para regular suas emoções e equilibrar sua energia, para que não leve negatividade para o local de trabalho.

As ferramentas e técnicas por trás da autorregulação podem ser comparadas às praticadas na Terapia Cognitiva Comportamental (TCC), que é projetada para nos ajudar a gerenciar nossos problemas ajustando nosso processo de pensamento e comportamento. A TCC é comumente usada para tratar doenças mentais e transtornos de humor, mas as técnicas e habilidades que ela ensina podem, sem dúvida, ser aplicadas para ajudar a autorregulação.

Algumas das principais técnicas incluem:

  • Dividir seus problemas e preocupações: se você permitir que muitos problemas menores se confundam em um grande problema, será exaustivo encontrar uma solução
  • Estabelecer uma distinção entre os problemas que podem ser resolvidos e os problemas sobre os quais você não tem controle, de forma a concentrar sua energia no que você pode corrigir
  • Dedicar horários específicos para lidar com questões específicas e tentar o seu melhor para não pensar nelas até o horário previsto, em vez de permitir que pesem sobre você o dia todo
  • Praticar a atenção plena, ou seja, tirar tempo para se concentrar em sua respiração e se afastar dos seus problemas
  • Recuar e olhar para os problemas que você enfrenta de uma perspectiva externa
  • Escrever seus sentimentos: isso ajudará a materializar e refinar problemas mais vagos e definir soluções práticas

Caso se sinta chateado e frustrado ou qualquer emoção abertamente negativa, tome medidas para mitigar isso e fale com seus colegas sobre sua experiência.

Praticar a autorregulação vai ajudá-lo a ser mais adaptável no local de trabalho e a se manter focado. Se puder gerenciar e priorizar problemas emocionais, poderá gerenciar e priorizar sua carga de trabalho também.

3. Motivação

A motivação intrínseca refere-se às pessoas que estabelecem e perseguem metas para sua própria realização pessoal. Não se trata da motivação impulsionada pelo dinheiro, reputação ou estatura, trata-se da motivação impulsionada pela paixão e satisfação pessoal.

Ter integridade para sua posição e saber que seu trabalho árduo é alimentado não pelo dinheiro, mas pela ambição pessoal, vai ajudá-lo a ter um melhor desempenho e produzir um trabalho de melhor qualidade. Claro, não há nada de errado em se esforçar por admiração e sucesso financeiro, mas se isso é tudo o que almeja, você pode nunca se sentir verdadeiramente satisfeito com sua vida profissional. Você não deve trabalhar arduamente apenas para agradar seus chefes e clientes, e sim se esforçar para alcançar uma maior realização pessoal, sendo mais emocionalmente inteligente.

Como se manter motivado no trabalho

Se está se esforçando para encontrar essa motivação, pergunte-se o que realmente está procurando em sua posição e sua carreira, e continue se perguntando até ter uma resposta concreta. Descubra o que o impulsiona, onde você quer estar no futuro e o que precisa fazer para chegar lá.

Defina metas realistas e ao mesmo tempo desafiadoras, que promovam suas paixões e desejos pessoais, para que saiba como e por que está trabalhando para si mesmo, mesmo quando estiver trabalhando para outros. Estabelecer metas regularmente é uma maneira fantástica de incentivar a motivação e aumentar a produtividade.

Concentre sua energia nas partes do trabalho que gosta e seja sensato consigo mesmo, a fim de entender que algumas etapas que você não gosta podem ser necessárias para chegar às partes de que gosta. Use os aspectos do seu trabalho que você gosta para motivá-lo em outras áreas. Pergunte-se por que você gosta desses aspectos e por que não gosta dos outros.

Caso se sinta completamente insatisfeito e esgotado no trabalho pode ser hora de abordar a questão com seus superiores. Se não está feliz no trabalho, isso é ruim para você e para eles também, por isso, não tenha medo de abordar essas preocupações de frente.

A motivação é contagiante: seu entusiasmo, otimismo e consciência se refletem no seu ambiente de trabalho e ajudam a criar uma atmosfera positiva impulsionada pela paixão, não por um salário.

4. Empatia

A inteligência emocional envolve não apenas entender a si mesmo, mas fazer um esforço para entender as emoções dos outros. Em vez de descartar ou invalidar completamente as emoções ou opiniões de outras pessoas se discordar delas, tente ver as coisas do ponto de vista delas. Ouça-as, permita que se expressem e se esforce para que elas aprendam com suas interações. Empatia é tudo quando se trata de gestão de conflitos.

Ter alta inteligência emocional significa ter a capacidade de reconhecer e aprender com erros passados e compreender diferentes perspectivas. Você não precisa concordar com tudo o que é dito ou feito por um colega, mas deve sempre fazer um esforço para pelo menos entender as emoções dele para que você possa ajudá-lo a gerenciá-las.

Tenha compaixão pelos membros da sua equipe, ouça-os e responda de forma construtiva. Agressão ou rejeição só impedirão a comunicação e o conforto no local de trabalho, o que pode ter impactos significativamente negativos no seu trabalho e liderança.

5. Habilidades sociais

Ter uma forte consciência social é parte fundamental da gestão das relações e, por sua vez, do EQ. Ter inteligência social é mais do que apenas ser amigável e usar emojis de sorrisinhos (embora isso certamente ajude), trata-se de ser acessível, envolvente, transparente e garantir que aqueles com quem você interage se sintam confortáveis e ouvidos.

Evite ser um ouvinte passivo em uma conversa. Certifique-se de permanecer envolvido, manter contato visual, ser um colaborador ativo para a discussão e mostrar que você está genuinamente interessado e com vontade de aprender. Ganhe a confiança de seus colegas através de sua integridade e compaixão, e defenda a positividade e a bondade.

Tente estar ciente da linguagem corporal, tanto a sua como a dos outros; ter fortes habilidades interpessoais significa ter a capacidade de “ler a sala” e entender o que é e não é apropriado sem que ninguém tenha que dizer uma palavra.

Quando se trata de empatia e habilidades sociais, é importante se lembrar desses passos:

  • Ouça seus colegas
  • Não interrompa as pessoas
  • Certifique-se de que seu feedback seja sempre construtivo
  • Seja aberto e autêntico, e encoraje o mesmo nos outros
  • Reconheça quando você ou um membro da sua equipe está se sentindo esgotado e tome medidas
  • Dedique tempo às atividades sociais

A comunicação é fundamental

Uma equipe que sabe como se comunicar e se entender inevitavelmente funcionará melhor, e as habilidades que descrevemos acima são todas sobre comunicação sólida, tanto com sua equipe quanto com você mesmo.

A comunicação fluida é essencial se estiverem trabalhando juntos no mesmo escritório ou colaborando remotamente. Utilizar técnicas e ferramentas como o Dropbox Paper para facilitar a comunicação aberta e o feedback direto pode ser uma grande ajuda no desenvolvimento da inteligência emocional, pois ajudará você a gerenciar seu trabalho e colaborar com sua equipe de forma eficiente.

Um local de trabalho com fortes habilidades de inteligência emocional será um ambiente mais produtivo, motivado, saudável e feliz. Você não precisa ser o melhor amigo de todos os colegas de trabalho, mas entender como eles pensam e como seu próprio comportamento e ações são percebidos faz uma grande diferença.

Trabalhar com inteligência emocional significa não permitir que suas emoções interfiram na qualidade do seu trabalho ou no seu relacionamento com sua equipe. Significa saber como aproveitar seus pontos fortes e reconhecer e superar suas fraquezas. Pessoas verdadeiramente emocionalmente inteligentes não ignoram um problema ou um sentimento negativo, elas o enfrentam de frente, pragmaticamente.

Um EQ elevado no local de trabalho é tão importante quanto um QI, se não mais. Praticar e melhorar a inteligência emocional vai ajudá-lo a aumentar sua autoconfiança, controle, habilidades de tomada de decisão e saúde mental geral.