Tipos de dispositivos de armazenamento

Explore os vários dispositivos projetados para aumentar sua capacidade de armazenamento digital e descubra como funcionam.

Armazenamento em computador

Um dispositivo de armazenamento é uma peça de hardware que é usada principalmente para armazenar dados. Cada desktop, laptop, tablet e smartphone terá algum tipo de dispositivo de armazenamento dentro dele, e você também pode obter unidades de armazenamento externas independentes que podem ser usadas em vários dispositivos.

O armazenamento é necessário não apenas para salvar arquivos, mas também para executar tarefas e aplicativos. Qualquer arquivo que você crie ou salve no computador é salvo no dispositivo de armazenamento do computador, assim como quaisquer aplicativos que você use, bem como o sistema operacional no qual o computador é executado.

Conforme a tecnologia avançou ao longo do tempo, os dispositivos de armazenamento de dados também evoluíram de maneira importante. Hoje em dia, os dispositivos de armazenamento vêm em muitas formas e tamanhos, e existem alguns tipos diferentes de dispositivo de armazenamento que atendem a diferentes dispositivos e funções.

Um dispositivo de armazenamento também é conhecido como meio de armazenamento ou mídia de armazenamento, e o armazenamento digital é medido em megabytes (MB), gigabytes (GB) e, atualmente, em terabytes (TB).

Alguns dispositivos de armazenamento de computador são capazes de armazenar informações permanentemente, enquanto outros só podem armazenar informações temporariamente. Cada computador tem armazenamento primário e secundário, com o armazenamento primário atuando como memória de curto prazo de um computador e o secundário como memória de longo prazo de um computador.

Armazenamento primário: RAM (Random Access Memory)

A memória de acesso aleatório, ou RAM, é o armazenamento principal de um computador.

Quando você está trabalhando em um arquivo em seu computador, ele armazena temporariamente dados em sua RAM. A RAM permite que você execute tarefas diárias, como abrir aplicativos, carregar páginas da Web, editar um documento ou jogar jogos, além de permitir que você alterne rapidamente de uma tarefa para outra sem perder o fio da meada. Essencialmente, quanto maior a RAM do seu computador, mais rápida e automaticamente você conseguirá realizar multitarefas.

A RAM é uma memória volátil, o que significa que não pode reter informações quando o sistema for desligado. Por exemplo, se você copiar um bloco de texto, reiniciar o computador e tentar colar esse bloco de texto em um documento, verá que o computador esqueceu o texto copiado. Isso ocorre porque ele foi armazenado apenas temporariamente em sua RAM.

A RAM possibilita ao computador acessar dados em uma ordem aleatória e, portanto, lê e grava muito mais rápido do que o armazenamento secundário de um computador.

Armazenamento secundário: HDD (unidade de disco rígido) e SSD (unidade de estado sólido)

Além da RAM, cada computador também tem outra unidade de armazenamento que é usada para armazenar informações em uma base de longo prazo, e isso é conhecido como armazenamento secundário. Qualquer arquivo que você cria ou baixa é salvo no armazenamento secundário do computador. Existem dois tipos de dispositivos de armazenamento usados como armazenamento secundário em computadores: HDD e SSD. Embora os HDDs sejam os mais tradicionais, os SSDs estão ultrapassando rapidamente o HDD como a tecnologia preferida para armazenamento secundário.

Os dispositivos de armazenamento secundários geralmente são removíveis, portanto, você pode substituir ou atualizar o armazenamento do computador ou mover a unidade de armazenamento para outro computador. No entanto, há exceções notáveis, como MacBooks, que não oferecem armazenamento removível.

HDDs (unidades de disco rígido)

A unidade de disco rígido (HDD) é o disco rígido original. São dispositivos de armazenamento magnético que existem desde a década de 1950, embora tenham evoluído muito ao longo do tempo.

Uma unidade de disco rígido é composta por uma pilha de discos metálicos chamados pratos. Cada disco giratório contém trilhões de pequenos fragmentos que podem ser magnetizados para representar bits (1s e 0s no código binário). Um braço atuador com cabeçote de leitura/gravação escaneia os pratos giratórios e magnetiza os fragmentos para gravar informações digitais no HDD ou detectar carga magnética para ler as informações.

Além de armazenamento de laptop e PC, os HDDs são usados para gravadores e servidores de TV e satélite.

SDDs (unidades de estado sólido)

As unidades de estado sólido surgiram muito mais recentemente, nos anos 90. Os SSDs não dependem de ímãs e discos, em vez disso, usam um tipo de memória flash chamado NAND. Em um SSD, os semicondutores armazenam informações alterando a corrente elétrica dos circuitos contidos na unidade. Isso significa que, ao contrário dos HDDs, os SSDs não exigem peças móveis para operar.

Por conta disso, os SSDs não só funcionam mais rápido e mais suavemente do que os HDDs (os HDDs demoram mais tempo para coletar informações devido à natureza mecânica de seus pratos e cabeçotes), mas também geralmente duram mais do que os HDDs (com tantas peças móveis intrincadas, os HDDs são vulneráveis a danos e desgastes).

Além dos PCs mais recentes e dos notebooks de última geração, você pode encontrar SSDs em smartphones, tablets e, às vezes, em câmeras de vídeo.

Dispositivos de armazenamento externo

Além da mídia de armazenamento contida em um computador, há também dispositivos de armazenamento digital que são externos aos computadores. Eles são comumente usados para expandir a capacidade de armazenamento quando um computador está com pouco espaço, para permitir mais portabilidade e para permitir transferências fáceis de arquivos de um dispositivo para outro.

HDDs e SSDs externos

Você pode obter dispositivos HDD e SSD como unidades externas. Eles geralmente oferecem a maior capacidade de armazenamento entre as opções externas, com HDDs externos oferecendo até 20 TB de armazenamento e SSDs externos (com preço razoável) oferecendo até 8 TB de armazenamento.

HDDs e SSDs externos funcionam exatamente da mesma maneira que seus similares internos. A maioria das unidades externas pode ser conectada a qualquer computador; elas não estão vinculadas a um dispositivo, portanto, são uma solução apropriada para transferir arquivos entre dispositivos.

Dispositivos de memória flash

Mencionamos a memória flash anteriormente ao discutir SSDs. Um dispositivo de memória flash contém trilhões de células de memória flash interconectadas que podem armazenar dados. Essas células contêm milhões de transistores que, quando ligados ou desligados, representam 1s e 0s em código binário, permitindo que um computador leia e grave informações com base na corrente elétrica dos transistores.

Talvez o tipo mais reconhecido de dispositivo de memória flash seja a unidade flash USB. Também conhecido como um pen drive ou simplesmente um” USB," esses pequenos dispositivos de armazenamento portáteis têm sido uma escolha popular para armazenamento extra em computador. Antes, quando o compartilhamento de arquivos on-line não era rápido nem fácil, as unidades USB flash eram basicamente essenciais para transferir facilmente arquivos de um dispositivo para outro.

Atualmente, uma unidade flash USB pode conter até 2 TB de armazenamento. Esses dispositivos são mais caros por gigabyte do que um disco rígido externo, então, embora seja improvável que alguém esteja usando pen drives para armazenar todos os seus dados pessoais, eles prevaleceram como uma solução simples e conveniente para armazenar temporariamente e transferir arquivos menores.

Além das unidades USB, os dispositivos de memória flash também incluem cartões SD e de memória, que você reconhecerá como o meio de armazenamento usado em câmeras digitais.

Dispositivos de armazenamento ótico

CDs, DVDs e discos Blu-Ray são usados para muito mais do que apenas reproduzir músicas e vídeos, eles também atuam como dispositivos de armazenamento e, coletivamente, são conhecidos como dispositivos de armazenamento óptico ou mídia de disco óptico.

O código binário é armazenado nesses discos na forma de minúsculas saliências ao longo de uma trilha que espirala para fora do centro do disco. Quando o disco está em operação, ele gira a uma velocidade constante, enquanto um laser contido na unidade de disco escaneia as saliências no disco. A maneira como o laser reflete ou rebate uma saliência determina se ela representa um 0 ou um 1 em código binário.

Um DVD tem uma trilha espiral mais compacta do que um CD, permitindo que ele armazene mais dados embora seja do mesmo tamanho, e um laser vermelho mais fino é usado em unidades de DVD do que unidades de CD. Os DVDs também permitem uma camada dupla para aumentar ainda mais a sua capacidade. O Blu-Ray elevou tudo a um novo patamar, armazenando dados em várias camadas com saliências ainda menores que exigem um laser azul ainda mais fino para lê-las.

CD-ROM, DVD-ROM e BD-ROM referem-se a discos de armazenamento óptico que são somente leitura, o que significa que os dados gravados neles são permanentes e não podem ser removidos nem substituídos. Eles são comumente usados para programas de instalação de software, mas não podem ser usados como um dispositivo de armazenamento pessoal.

Os discos de formato CD-R, DVD-R e BD-R podem ser gravados, mas não podem ser sobregravados. Quaisquer dados que você salvar em um disco gravável em branco serão armazenados permanentemente nesse disco. Assim, eles podem armazenar dados, mas não são tão flexíveis quanto outros dispositivos de armazenamento.

CD-RW, DVD-RW e BD-RE são regraváveis, então você pode gravar continuamente novos dados neles e apagar os dados indesejados. Embora tenham sido amplamente ultrapassados por tecnologias mais recentes, como a memória flash, os CD-RWs foram durante muito tempo a melhor escolha para armazenamento externo, a maioria dos computadores desktop e muitos laptops têm uma unidade de CD ou DVD.

O CD pode armazenar até 700 MB de dados, o DVD-DL pode armazenar até 8,5 GB e o Blu-Ray pode armazenar entre 25 e 128 GB de dados.

Disquetes

Embora possam ser majoritariamente obsoletos neste momento, não podemos falar de dispositivos de armazenamento sem pelo menos mencionar os humildes disquetes. Os disquetes foram os primeiros dispositivos de armazenamento removíveis e portáteis amplamente disponíveis. Eles funcionam da mesma maneira que as unidades de disco rígido, embora em uma escala muito menor.

A capacidade de armazenamento dos disquetes nunca excedeu 200 MB antes de CD-RW e drives flash se tornarem a mídia de armazenamento preferida. O iMac foi o primeiro computador pessoal lançado sem uma unidade de disquete, em 1998, e a partir dessa data o reinado de mais de 30 anos do disquete diminuiu muito rapidamente.

Armazenamento na nuvem

Embora não seja exatamente um dispositivo em si, o armazenamento em nuvem é o mais novo e versátil tipo de armazenamento para computadores. “A nuvem” não é um só lugar ou objeto, mas sim uma enorme coleção de servidores alojados em centros de processamento de dados ao redor do mundo. Ao salvar um documento na nuvem, você está armazenando-o nesses servidores.

Como tudo é armazenado on-line, o armazenamento em nuvem não usa nenhum armazenamento secundário do seu computador, permitindo economizar espaço.

O armazenamento em nuvem oferece capacidades de armazenamento significativamente maiores do que as unidades flash USB e outras opções físicas, evitando que você tenha que pesquisar cada dispositivo para chegar ao arquivo que você está procurando.

Embora HDDs e SSDs externos já tenham sido favorecidos por sua portabilidade, eles também ficam aquém quando comparados ao armazenamento em nuvem. Não há muitos discos rígidos externos de bolso e, embora eles sejam, naturalmente, menores e mais leves do que a unidade de armazenamento interna de um computador, ainda são dispositivos tangíveis que você precisa cuidar. A nuvem, por outro lado, pode ir com você para qualquer lugar sem ocupar nenhum espaço físico e não tem as vulnerabilidades físicas de uma unidade externa.

Dispositivos de armazenamento externos também eram populares como uma solução rápida para transferir arquivos, mas é claro, eles só são úteis se você puder acessar fisicamente cada dispositivo. A computação em nuvem está se esforçando em um momento em que muitas empresas agora operam remotamente. Você provavelmente não despacharia uma unidade USB para o exterior apenas para enviar um arquivo grande a um colega, assim, o armazenamento em nuvem funciona como uma ponte interligando trabalhadores remotos, facilitando a colaboração à distância.

Caso se esqueça de levar um disco rígido contendo documentos importantes a uma reunião, não há muito que possa ser feito além de buscá-lo em sua casa. Se quebrar ou perder um disco rígido completamente, é improvável que você recupere esses dados. Esses riscos não existem para o armazenamento em nuvem. Seus dados são armazenados em backup e acessíveis quando e onde você estiver, desde que tenha acesso à Internet.

Com o recurso Smart Sync do Dropbox, você pode acessar qualquer arquivo em seu Dropbox diretamente do seu desktop, então é como se seus arquivos estivessem armazenados localmente, só que eles não usam nenhum espaço em disco. Manter todos os seus arquivos salvos no Dropbox significa que estão sempre a um clique de distância, podem ser acessados de qualquer dispositivo com conexão à internet e podem ser compartilhados em um instante.